11 de Dezembro de 2017  
Convívio Pedroguense 2010
Pedrógão convive em Oeiras ...

Pedrogao 1-0 Sernache
Em Pedrógão de S. Pedro a equipa da casa venceu o ...

DISTRITAL DE CASTELO BRANCO - FASE FINAL
Começou com uma grande goleada a fase final do cam...

Pedrógão de S. Pedro
ADRACES – Associação para o Desenvolvimento da Rai...

 
 

Capela de Nossa Senhora das Dores

IPA: Monumento

NºIPA: 0507090065

Designação: Capela de Nossa Senhora das Dores

Localização: Castelo Branco, Penamacor, Pedrógão de São Pedro

Acesso: EN 233, em Pedrógão de São Pedro

Protecção: Inexistente

Enquadramento
Adro em gravilha, encontrando-se junto ao imóvel uma casa moderna, que impede o visionamento da capela a partir da estrada que lhe acede; à volta, surgem campos de cultivo e olivais. Peri-urbano, isolado, junto a propriedades agrícolas, com acesso por caminho em paralelepípedos e parcialmente em terra batida, tendo amplo adro formando declive, surgindo no lado direito, em plataforma artificial, em cota superior à via de acesso, sustentado por muros em alvenaria de granito com as juntas pintadas de branco, onde se implantam algumas árvores, protegidas por floreiras de betão e alguns bancos de cantaria, um deles adossado à fachada lateral direita.

Descrição
Planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais baixa e estreita, e sacristia adossada à fachada lateral esquerda, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas, o da capela-mor prolongando-se em aba corrida sobre a sacristia. Fachada rebocadas e pintadas de branco, flanqueadas por cunhais apilastrados e rematadas por friso e cornija. Fachada principal virada a O., em empena alteada relativamente à cornija, apresentando pináculos piramidais sobre os cunhais, sendo rasgada por portal de verga recta, moldurado e encimado por dupla cornija, separada por friso; sobre a superior, evolui friso contracurvado, volutado na zona inferior, formando falso frontão, rematado por cruz latina; na empena, surge sineta, sustentada por estrutura metálica. Fachada lateral esquerda, virada a N., rasgada, no corpo da sacristia, alteado relativamente à cornija, por porta de verga recta moldurada, na face O. e por janela rectangular na N.. Fachada lateral direita, virada a S., rasgada por porta de verga recta moldurada, no corpo da nave, surgindo, no da capela-mor, fresta em capialço, também com moldura de cantaria. Fachada posterior em empena, alteada relativamente à cornija, cega.

 

 

INTERIOR rebocado e pintado de branco, percorrido por azulejo de padrão monócromo, azul sobre fundo branco, formando silhar, com rodapé em cantaria policroma, pavimento em ladrilho de duas cores, preto e branco, formando desenhos geométricos, e cobertura de madeira pintada de bege, em masseira, assente em cornija de madeira e com dois tirantes metálicos, o central ostentando florão do mesmo material. No lado do Evangelho, púlpito quadrangular, assente em mísula de cantaria lavrada, com guarda metálica vazada, pintada de bege, e com acesso por escadas no lado direito, com guarda semelhante à do púlpito. A porta travessa é ladeada por pia de água benta semicircular, com taça gomeada e bordo boleado. Arco triunfal de volta perfeita assente em pilastras toscanas, sendo flanqueado por duas mísulas de cantaria, que sustentavam a primitiva cobertura.
Capela-mor com paramentos e cobertura semelhante à da nave, tendo pavimento em lajeado de granito, elevado por um degrau e, sobre supedâneo de um degrau, o retábulo-mor de talha policromada de branco, castanho e dourado, de planta recta e um eixo, formado por duas colunas de fuste liso e o terço inferior marcado, de capitéis coríntios e assentes em plintos paralelepipédicos com as faces decoradas por motivos fitomórficos, e duas pilastras toscanas, tendo nicho central em arco de volta perfeita, protegido por vidraça e ladeado por duas mísulas; a estrutura remata em frontão interrompido por espaldar bicôncavo com enorme resplendor, contendo as iniciais "AM", e encimado por decoração fitomórfica vazada; altar em forma de urna, com o frontão decorado por acantos, sobre o qual surge o sacrário com remate contracurvado e porta decorado por um Agnus Dei.

No lado do Evangelho, porta de acesso à sacristia, rebocada e pintada de branco, com pavimento em lajeado de granito e tecto plano de madeira pintada de bege, contendo um nicho e lavabo em cantaria, com reservatório em arco de volta perfeita, com espaldar recortado volutado e encimado por cruz latina; possui bica envolvida por acantos e taça rectilínea, com bordos boleados; vão quadrangular, de antigo sacrário e um rectângulo entaipado na fachada posterior, correspondente a antiga janela, sendo a actual gradeada.

Utilização Inicial
Cultual e devocional: capela

Utilização Actual
Cultual e devocional: capela (festa a 12 e 13 Agosto) *1

Afectação
Sem afectação

Época de Construção
Séc. 17 / 19

 

Arquitecto / Construtor / Autor
Desconhecido.

Cronologia
Séc. 17 - provável construção do imóvel; 1758 - referenciada nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo cura Manuel dos Santos Leitão, como estando fora da povoação e pertencendo à Igreja Matriz; séc. 19, início - feitura do retábulo-mor.

Tipologia
Arquitectura religiosa, maneirista e tardo-barroca. Capela de planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais estreita e sacristia adossada à fachada lateral esquerda, com coberturas internas diferenciadas de madeira em masseira, com iluminação garantida pelas janelas em capialço que se rasgam na fachada lateral direita. Fachada principal em empena, rasgada por portal de verga recta, rematado por friso e cornija. As fachadas são circunscritas por cunhais apilastrados e rematadas por friso e cornija, a lateral direita com porta travessa de verga recta. Interior com púlpito no lado do Evangelho e, na capela-mor, retábulo de talha policroma tardo-barroca.

 

Características Particulares
Capela bastante adulterada, mas ligada a uma das principais festividades da povoação, destacando-se a fachada principal com os cunhais firmados por pináculos e o remate do portal, em cornija, é encimado por falso frontão volutado com cruz no vértice superior. O retábulo-mor apresenta características da talha do final do séc. 18, especialmente na estrutura do nicho e remate em frontão interrompido por espaldar com cornija contracurvada, de inspiração borromínica, mas o remate com elementos vegetalistas vazados aponta para um execução no início do séc. 19. O lavabo da sacristia, muito simples, ostenta decoração fitomórfica.

Dados Técnicos: Estrutura autoportante.

Materiais
Estrutura em alvenaria de granito rebocada; cunhais, pináculos, frisos, cornijas, modinaturas, pavimento da capela-mor e sacristia, lavabo e bacia do púlpito em cantaria de granito; coberturas internas, portas e retábulo-mor de madeira; tirantes, guarda do púlpito e grades das janelas em metal; telha nas coberturas exteriores; janelas com vidro simples; silhares em azulejo industrial; pavimento da nave em ladrilho cerâmico.

Bibliografia
Dicionário enciclopédico das freguesias, Matosinhos, 1998, p. 213.

Documentação Fotográfica: DGEMN: DSID

Documentação Administrativa
IAN/TT: Memórias Paroquiais (1758, vol. 28, n.º 103-660)

Intervenção Realizada
Proprietário: séc. 20, 2.ª metade - tratamento dos rebocos e pinturas; execução de novas coberturas; colocação de silhares de azulejo e pavimento cerâmico na nave; restauro do retábulo-mor.

Observações
*1 - a procissão sai da capela, passando pelas escolas até à Igreja Matriz; no dia seguinte, a imagem sai em procissão para regressar à capela.

Autor e Data
Paula Figueiredo 2004




o seu email